Einstein adota sistema de gestão inédito no Brasil

A partir de fevereiro o Hospital Israelita Albert Einstein inicia a implantação de uma nova solução tecnológica para administrar todos os dados de seus pacientes hospitalares e ambulatoriais e das suas múltiplas áreas de atuação.

A solução Cerner Millennium será a primeira a ser implementada em língua portuguesa pela Cerner, empresa norte-americana que provê sistemas que integram informação e otimizam processos que eliminam erros e desperdícios, e é especializada em hospitais e sistemas de saúde.

“O Albert Einstein é um hospital extremamente inovador em termos de qualidade e avanço tecnológico, e nós procuramos fornecedores com as mesmas características.”, comenta o presidente da Instituição, Dr. Claudio Lottenberg. “Nossa prática clínica é centrada no paciente. A implantação da tecnologia integrada da Cerner vai agregar mais eficiência à nossa prática e incrementar a segurança do paciente.”, conclui.

“A implementação do Cerner Millenium não é apenas uma mudança tecnológica, mas também uma oportunidade para a revisão da prática clínica, de forma que profissionais de saúde e tecnologia trabalhem de forma sinérgica.”, diz Marcos García, vice-presidente e diretor geral da Cerner para Espanha e América Latina. “Nós compartilhamos a visão do Hospital Israelita Albert Einstein, de que a combinação entre a boa gestão e a tecnologia da informação de categoria internacional pode melhorar a qualidade do atendimento e a eficiência de um hospital, para o benefício de sua equipe e de seus pacientes.”, ressalta Garcia.

O Cerner Millenium oferece aos profissionais de saúde informações de forma ágil e segura, melhora a comunicação entre os profissionais, ajuda a reduzir a incidência de erros e reduz o tempo gasto com tarefas administrativas. Do ponto de vista médico, o Cerner Millenium facilita o acesso às informações necessárias para a tomada de  decisão clínica e definição da linha de cuidado.

O novo sistema proporciona que todo o histórico clínico da pessoa esteja corretamente armazenado e disponível à equipe médica e assistencial. Quando há comprometimento da saúde e é necessária a atuação de um grande número de profissionais, a atenção deve ser centrada no paciente. Além disso, o histórico está registrado eletronicamente, liberando a pessoa de se recordar de cada episódio relacionado à sua doença, pois tudo está sendo gerido pelo software e disponível para a equipe de atendimento.

O sistema Cerner Millenium permite que diversos itens sejam gerenciados simultaneamente, desde a entrada até a alta do paciente, como o controle dos protocolos clínicos e registros de administração de medicamentos; a gestão dos recursos disponíveis, por exemplo, quartos de internação, quantidade de especialistas por área em cada plantão, entre outros.

A primeira fase do projeto consiste na tradução da ferramenta, o treinamento dos usuários na nova tecnologia e a implementação dos fluxos de trabalho de cada uma das áreas do Einstein, como documentação clínica, prontuário eletrônico, farmácia, gerenciamento de leitos, faturamento, emergência, UTI, Oncologia, Cardiologia, Medicina Diagnóstica, Centro Cirúrgico entre outras áreas.

A previsão de término da primeira fase da implantação do sistema é no final 2015 e a conclusão total será no final de 2016.

 

Anúncios

Agenda de eventos

img-1017441-os-suspeitosA Hebraica exibe amanhã (1) às 20h30 e domingo (2) às 16h e 19h o filme “Os Suspeitos”. No longa de suspense, Hugh Jackman vive um pai de família que deve lidar com o desaparacimento de sua filha e de uma amiga dela. Quando suspeita que o detetive encarregado das buscas já desistiu de procurar pelo culpado, este pai desesperado começa a desconfiar de todas as pessoas ao redor e faz sua própria investigação. Grátis. No Teatro Arthur Rubinstein do clube.

Comunidade participa de missa realiza por D. Odilo em memória de vítimas do Holocausto

A partir da esquerda: Raul Meyer, Ruben Sternchen, Odilo Scherer, Michel Schlesinger, José Bizon, Eduardo Wurzmann

A partir da esquerda: Raul Meyer, Ruben Sternchen, Odilo Scherer, Michel Schlesinger, José Bizon, Eduardo Wurzmann

O cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Odilo Pedro Scherer, celebrou às 17 horas do último dia 26, na Catedral da Sé, no centro da capital paulista, uma missa em memória das vítimas do Holocausto, na presença de rabinos e delegações da comunidade judaica, que rezaram junto com os católicos para que Deus não permita que se repita tragédia igual no futuro. 

“Pela primeira vez na história desta Catedral, uma missa será dedicada à memória das vítimas da Shoa, graças à sensibilidade do cardeal-arcebispo d. Odilo Pedro Scherer e ao incansável trabalho da Comissão Nacional de Diálogo Católico-Judaico, liderada pelo cônego José Bizon”, disse o rabino Michel Schlesinger, da CIP.

D. Odilo deixou de lado os comentários sobre as leituras bíblicas da missa, para falar da tragédia do Holocausto. Leu trechos do discurso que Bento XVI fez, ao visitar Auschwitz, em 28 de maio de 2006. Joseph Ratzinger, agora papa emérito, afirmou que era difícil para um alemão, como ele, visitar o campo de concentração e perguntou onde estava Deus e por que ele permitiu que acontecessem tais crimes.

Coral da Wizzo

Coral da Wizzo

O rabino Ruben Sternschein, também da CIP, observou que os seis milhões de judeus vítimas do Holocausto não eram soldados, mas homens, mulheres e crianças que foram arrancados de suas casas e assassinados. Os líderes religiosos da comunidade judaica recitaram o Kadish, oração pelos mortos, em hebraico e em português. D. Odilo pediu descanso eterno para as vítimas da tragédia e conforto para suas famílias.

O coral feminino Wizzo, da comunidade judaica, cantou músicas sobre o Shoa e o Coral da Catedral entoou as partes cantadas do ritual da missa. O cônsul-geral de Israel em São Paulo, Joel Barnea, agradeceu a atenção de d. Odilo. Apresentou-se como um sobrevivente do Holocausto e informou que Israel já está se preparando para a visita do papa Francisco à Terra Santa, de 23 a 26 de maio.

Grupo do Novas Gerações-Brasil do CJL inicia suas atividades deste ano

DSC06374No dia 28 de janeiro, o Programa de Novas Gerações do Congresso Judaico Latino-Americano/Brasil abriu suas atividades de 2014 com um café da manhã com a psicóloga e única representante da comunidade judaica junto ao SEPPIR Sofia Débora Levy.

Na ocasião, Sofia falou sobre a temática do Holocausto e Discriminação, objeto de suas pesquisas e sobre o qual tem vários livros publicados. Também contou um  pouco sobre sua atuação na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) do Governo Brasileiro.

O encontro aconteceu na residência de Jack Terpins, presidente do Congresso Judaico Latino-Americano, e contou com a presença do vereador Floriano Pesaro, do secretário-geral e do diretor executivo do CJL, respectivamente, Saúl Gilvitch e Claudio Epelman.

IMG_20140128_112453455A reunião foi muito apreciada pelos presentes que se interessaram pelos livros de Sofia e lhe fizeram várias perguntas sobre o tema, assim como discutiram qual a melhor maneira de “educar” a sociedade sobre um assunto ainda tão polêmico.

O grupo aguarda, ansioso, um novo encontro, que deve ocorrer no próximo mês, tendo como mote as diretrizes que norteiam o trabalho do Congresso Judaico Latino-Americano,  que são o combate ao terrorismo, luta contra o antissemitismo e toda forma de discriminação, fortalecimento dos vínculos com outros credos, defesa dos  direitos humanos e apoio ao Estado de Israel.

Temer e Alckmin homenageiam sobreviventes e pracinhas da FEB, no Dia do Holocausto

“Esta data é um importante exercício universal de memória, um momento ímpar de respeito às vítimas e de projeção para o futuro. A tragédia do Holocausto deixou como legado um grande progresso do Direito Internacional Público, para fazer face aos crimes contra a humanidade. Hoje, nossa missão é transformar as mentalidades. No Brasil, o racismo é um crime inafiançável”, afirmou o presidente em exercício Michel Temer na cerimônia do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, na segunda-feira à noite, em São Paulo.

O governador Geraldo Alckmin, que ofereceu o Auditório Ulisses Guimarães, no Palácio dos Bandeirantes, para a realização da solenidade, disse que é necessário lembrar também aqueles que arriscaram suas vidas em solidariedade aos judeus. Ressaltando a responsabilidade de todos nós contra a intolerância, citou o escritor francês André Malraux: “O túmulo dos heróis é o coração dos vivos”.

O presidente da Conib, Claudio Lottenberg, exaltou a “resiliência dos sobreviventes e seu apego aos valores judaicos, de ética, educação e cultura”. Ele fez referência aos “imperdoáveis” massacres ocorridos na África, em Ruanda e Darfur, e ao espírito de solidariedade da comunidade judaica, que planeja um projeto de ajuda humanitária na Guiné-Bissau.

Na solenidade promovida pela Conib e pela Fisesp, com o apoio da CIP, em lembrança aos seis milhões de judeus dizimados pela barbárie nazista, foi prestada uma homenagem à FEB- Força Expedicionária Brasileira, que há 70 anos desembarcou na Itália para lutar contra o nazifascismo na Segunda Guerra Mundial.

Também foram homenageados o ator Juca de Oliveira e o dramaturgo Walther Negrão. O ator representou, nanovela “Flor do Caribe”, de Negrão, o personagem Samuel, um sobrevivente do Holocausto. Por seu trabalho na divulgação desse trágico período histórico.Impossibilitado de ir à cerimônia, Negrão foi representado por Julio Fischer, seu parceiro na escrita da novela.

A solenidade no Palácio dos Bandeirantes teve a presença de sobreviventes do Holocausto e veteranos da FEB;  autoridades políticas como Aécio Neves, Alberto Goldman, José Serra e Gilberto Kassab; além de diplomatas, intelectuais, rabinos e líderes comunitários. O portal Terra transmitiu a cerimônia ao vivo.

Posteriormente, foram acesas seis velas em homenagem aos seis milhões de judeus mortos. Acender a primeira vela coube aos representantes das novas gerações do povo judeu, os jovens Ariel Kovesi, Beni Ostronoff e Mauricio Homsi, junto ao senhor Julio Gartner, sobrevivente do Holocausto, que passou por cinco campos de trabalhos forçados.

O orador da noite, tenente Israel Blajberg, recordou a história da entrada no Brasil na Segunda Guerra Mundial e a participação da FEB: “Os italianos mal sabiam quem eram aqueles novos combatentes. Mas não tardariam a descobrir por trás dos uniformes  a alma brasileira daqueles soldados-cidadãos, que dividiam com eles as suas rações de combate, ainda hoje recordados como os Liberatori”.

Exposição na Hebraica homenageia Clarice Lispector com obras de Nair Kremer

Nair-Kremer-3-450x337Com desenhos, pinturas, serigrafias, gravuras e instalações, a artista plástica Nair Kremer homenageia a escritora Clarice Lispector na exposição “Territórios Afetivos”. Quem quiser conferir os trabalhos pode passar pela galeria A Hebraica até 18 de fevereiro, de terça a domingo, das 8h às 20h. A entrada é grátis.

Para pincelar, literalmente, o universo clariceano, Nair baseou-se em algumas obras da escritora, como “A Paixão Segundo G.H.“, “Água-Viva“, “A Descoberta do Mundo“, “Perto do Coração Selvagem“, “O Ovo e a Galinha“, “Laços de Família” e “A Hora da Estrela“.

A construção da obra, tanto de Clarice, quanto de Nair, pode ser comparada, uma vez que ambas se baseiam em fragmentos migratórios retirados de seu lugar de origem.

CIP recebe visita da nova embaixadora dos EUA no Brasil

No dia 22 de janeiro, a Congregação Israelita Paulista (CIP) teve o privilégio de ser a primeira entidade judaica a receber em sua sede a nova embaixadora dos EUA no Brasil, Liliana Ayalde, acompanhada pelo cônsul-geral dos EUA em São Paulo, Dennis Hankins.

O encontro, no qual foi apresentado o panorama geral da comunidade judaica e sua integração à sociedade brasileira e a disposição ao diálogo interreligioso, reuniu alguns dos líderes comunitários, incluindo o presidente da CONIB Claudio Lottenberg, o vice-presidente executivo da FISESP Ricardo Berkiensztat, o presidente da CIP Sérgio Kulikovsky e os rabinos Michel Schlesinger e Ruben Sternchein.

Liliana Ayalde (centro) ao lado de lideranças comunitárias na CIP

Liliana Ayalde (centro) ao lado de lideranças comunitárias na CIP