Pesquisa inédita do Einstein permitirá detectar câncer de pulmão de forma precoce

O Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein começou um trabalho inédito na América Latina com pacientes que fumam para detectar precocemente o câncer pulmonar a partir da execução da tomografia computadorizada de baixa dosagem (TCBD), análise que pode ser feita com mais frequência por causa da menor exposição à radiação.

Esta pesquisa é importante para pacientes fumantes, pois abre a possibilidade de realizar o exame em pouco espaço de tempo, o que ajuda muito no diagnóstico  precoce da doença. Com esse exame, também será possível identificar outras afecções que decorrem do tabaco antes da exteriorização.

Toda a apreciação dos testes é realizada por um grupo interdisciplinar constituído pela radiologia, pneumologia e cirurgia torácica. O teste é apropriado para fumantes ou ex-fumantes que interromperam o vício há menos de 15 anos, com faixa etária entre 55 e 74 anos, e sem alterações expressivas na saúde.

Anúncios

Agenda do fim de semana

HOJE:

  • Cabalat Shabat de Chanuca na Comunidade Shalom (SP). Leve a sua chanukiá! Às 19h15. Rua Fiandeiras, 295.

SÁBADO:

  • alm2280409A festa Fun*Farra, do Espaço K, traz uma apresentação tripla de Stand Up com o humorista Fernando Muylaert e seus convidados. Além disso, a festa será regada de chopp e petiscos à vontade. A partir das 22h. Homem: R$ 25. Mulher: R$ 20. Inf.: 3666-0088.

DOMINGO:

  • Festa de Chanucá para crianças no Templo Ohel Yaacov. Diversão com música, atividades artísticas, barracas de doces e salgados, brindes e acendimento simbólico das velas do 4o dia. Inf.: 3421-0818.
  • 1453446_496054577159535_704092768_nGrande evento de Chanucá da Sinagoga do Morumbi no Shopping Cidade Jardim (SP). Distribuição de chanukiot e sevivon, show de mágica, sufganiot, música e acendimento das velas. Às 17h, no piso térreo. Info: 3031-4555.
  • Comemoração de Chanucá no Circulo Macabi, com o concerto “Música na Festa das Luzes”. Participação da Orquestra de Cordas Laetare e do Coral Simchá, regidos pela Maestrina Muriel Waldman. O programa  incluirá: Abertura do Oratório “Judas Macabeu”, de Georg F. Haendel; Bênção das Velas, Hanerot Halalu, Al Hanissim, Maoz Tzur, Ocho Kandelikas, Tenho um Piãozinho e Suite de Músicas Israelenses. R$ 10. Às 20h. Av. Angélica, 634. 
  • O Centro Novo Horizonte promove o “Chanucá On Wheels”, no Roller Jam (Rua Fernando Falcão, 393- Móoca), das 12 às 18h. R$ 10. Música judaica, pista de patinação fechada para o evento, acendimento da chanukiá às 17h,  distribuição de sevivon e brindes, sorteios, oficina de artes para as crianças e lanchonete kasher. Info: 3159-4777.
  • Comemoracao de Chanucá no Centro Judaico Bait, às 16h30. Oficina de chanukiot para crianças, sorteio de brindes, sonhos, latkes e churros e acendimento da vela de chanucá. Rua Baronesa de Itu, 438. Inf.: 36632838.
  • Chanucá para toda a família com o Beit Menachem, às 17h no Shopping Vila Lobos (em frente à Livraria Cultura). Acendimento da chanukiá, show para crianças, sonhos, brindes, música e alegria. Info: 3812-6216.
  • Mezuton – Maratona LatinoAmericana da Mezuzá, da Comunidade Shalom. Info: 3847-0000.
  •  Abertura da ExpoAva 75 Anos. Prestigie o último dos eventos em comemoração aos 75 anos do movimento juvenil sionista Avanhandava. A exposição contará, através de imagens e objetos, a história do movimento desde sua fundação, em 1938, até os dias de hoje. Às 19h30, na CIP. 

 

 

 

Convenção anual da Conib debate pequenas comunidades, identidade judaica e notícias do Oriente Médio

Em sua 44ª convenção anual, realizada no último fim de semana em Belo Horizonte, a Conib, com representantes de federadas de 13 Estados e de entidades judaicas de âmbito nacional – Agência Judaica, B’nai B’rith, Na’amat Pioneiras e Wizo, além de jovens do Habonim Dror –  o embaixador de Israel, Rafael Eldad, o cônsul-geral de Israel em São Paulo, Yoel Barnea, e o cônsul-honorário de Israel em Belo Horizonte, Silvio Musman, abordou os caminhos da identidade judaica no Brasil, analisou formas de apoio às pequenas comunidades, discutiu a produção de notícias sobre o Oriente Médio e debateu a posição de integrantes do Congresso Nacional sobre questões ligadas ao Estado de Israel.  

Na capital mineira, o presidente da Conib, Claudio Lottenberg, se reuniu com o prefeito Marcio Lacerda. Mais tarde, os participantes da convenção foram recebidos no Palácio da Liberdade pela secretária de Estado do Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, representando o governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia. Vilhena lembrou as missões oficiais a Israel, no governo de Aécio Neves, e ressaltou a forte parceria entre Minas e Israel, com destaque para as áreas de ciência, tecnologia e de incubadoras: “Israel é nossa inspiração”. Fernando Lottenberg, secretário-geral da Conib, observou o forte simbolismo de a recepção aos judeus brasileiros, “que o País acolheu de braços abertos”, ocorrer no Palácio da Liberdade, e lembrou de Tiradentes, Juscelino Kubitschek e Tancredo Neves. A Agência Minas e a rádio CBN de Foz do Iguaçu destacaram a recepção.

Na convenção, foram homenageados postumamente, por sua grande contribuição à causa judaica, Mauricio Corrêa, presidente do STF, Samuel Szerman, presidente da Associação Cultural Israelita de Brasilia; e Marx Golgher, ativista comunitário mineiro. Também recebeu homenagem João Leite, deputado estadual de Minas Gerais.

Na presença de sua esposa Myra e de seu filho Gerson, o ativista comunitário mineiro Marx Golgher foi homenageado por Mauro Terepins, vice-presidente da Conib.

Um dos temas de discussão mais calorosa na convenção foi a identidade judaica no Brasil. O debate teve Maria Luiza Tucci Carneiro, professora de História, da USP; Jorge Zaverucha, cientista político, da UFPE; Jacques Levy, presidente do Instituto Histórico Israelita Mineiro, e Daniel Douek, cientista social e membro do grupo de jovens Fórum 18.

Sucesso marca 30ª Feira da Comunidade

Feira da Comunidade chega à sua 30ª edição, marcando 15 anos de um trabalho da Na’amat Pioneiras São Paulo, cujo objetivo é estimular o empreendedorismo. Organizada duas vezes por ano, é uma realização do Departamento de Geração de Renda da instituição e conta com a parceria da A Hebraica e apoio da Fisesp. Participaram do evento em novembro de 2013, no Salão Marc Chagal do clube, expositores dos mais diversos segmentos. A Praça de Alimentação, como já é tradição, foi um dos pontos altos da mostra, oferecendo aos visitantes quitutes e lanches da culinária judaica e israelense, como o falafel e as burekas, ao lado de novidades como brigadeiros sofisticados e cupcakes. Nem o dia chuvoso conseguiu atrapalhar o sucesso da feira, que já se consagrou como a vitrine dos empreendedores, negócios e serviços desenvolvidos pelos profissionais da comunidade.

Segundo Clarice S. Jozsef, presidente da Na’amat Pioneiras São Paulo, a instituição sente orgulho em organizar um evento que tem como objetivo auxiliar micro e pequenos empresários a alavancarem negócios e se consolidarem no mercado. Ressalta, ainda, que a Feira da Comunidade é parte do trabalho realizado pelo Departamento de Geração de Renda da entidade que inclui, além da Feira, mais dois projetos: o Guia Produtos e Serviços da Comunidade, e os cursos e oficinas de capacitação realizados em parceria com o Senac. São quatro cursos gratuitos por ano em diversos segmentos. A parceria com o Senac inclui, ainda, descontos de até 20% para as inscrições feitas através da Na’amat nos demais cursos oferecidos pela instituição. em qualquer uma de suas unidades, além do pagamento parcelado. “Com essas iniciativas, a Na’amat está cumprindo o seu papel de contribuir para o desenvolvimento e a valorização do indivíduo. Gostaria, também, de ressaltar e agradecer o empenho e a dedicação das voluntárias envolvidas na realização da Feira, além do apoio da Federação Israelita do Estado de São Paulo e de A Hebraica.”

Falando em nome da Fisesp, seu diretor, Alberto Milkewitz, ressaltou o apoio ao trabalho que vem sendo realizado pela Na’amat na área de desenvolvimento social da comunidade dada a importância que esta Feira tem em termos sociais. Anita Nissenbaum, diretora Social da Hebraica, destacou a satisfação do clube por ser parceiro nesta iniciativa cujo impacto se traduz no dia a dia dos participantes e nas perspectivas que sãoabertas em termos de auto-sustentabilidade. “A Hebraica não poderia estar ausente.”

Além das diversas opções de produtos como roupas, acessórios, artesanato, bijuteria e artigos judaicos, a edição de 2013 da Feira da Comunidade contou com duas novidades: o espaço Bem-Estar e a participação de microempresas com até dois anos de funcionamento. A primeira é resultado de uma parceria entre a Na’amat, a Parnassot, uma organização sem fins lucrativos focada na inserção e recolocação de pessoas no mercado de trabalho, e a empresa Woow, especializada na venda de produtos para a área de bem-estar. A segunda inovação dá oportunidade a novas empresas de exporem seus produtos a um público amplo e diversificado sem grandes custos, possibilitando o crescimento dos participantes nos segmentos nos quais atuam. Para estar presentes, as microempresas passam por um processo de seleção e devem atender a alguns pré-requisitos.

“As duas inovações vêm ao encontro do objetivo do Departamento de Geração de Renda, que é dar as condições para que as pessoas possam transformar sua realidade sócio-econômica, contribuindo com a renda familiar e caminhando cada vez mais rumo à auto-sustentabilidade. Dentro desta perspectiva, o papel da Na’amat, como instituição, é justamente criar condições para que os indivíduos encontrem sua realização”, explica Miriam Doris Lilienfeld, coordenadora do Departamento, que conta com uma equipe devoluntárias responsável pela organização da Feira da Comunidade em todas asetapas – da inscrição à montagem do evento, passando pela recepção e auxílio aos expositores.

Henry Sobel participa do Roda Viva, da TV Cultura

UntitledO rabino Henry Sobel ocupou o centro do Roda Viva, programa da TV Cultura, nesta segunda-feira (25/11). Durante a sabatina mediada pelo jornalista Augusto Nunes, Henry Sobel falou, entre outros assuntos, sobre a religiosidade nos dias de hoje e política.

Recentemente o rabino anunciou que está se mudando para os Estados Unidos, após mais de quatro décadas no Brasil. Mas ele afirma que pretende dividir o seu tempo entre lá e no Brasil.

Henry Sobel teve uma participação importante para comprovar que a morte de Vladimir Herzog foi assassinato. “A versão oficial foi um suicídio. Eu não podia aceitar a versão militar. Foi comprovado sinais de terror no corpo de Herzog. O corpo não estava intacto”.

O atentado de 11 de setembro e as ações de Israel também foram citados pelo rabino. Para ele, só é possível tornar o mundo um lugar mais seguro se não houver bestas humanas. Henry afirmou ainda: “Eu acho que as preocupações de Israel são legítimas. Somente não acredito que esse é o caminho. Eu concordo com os fins, mas não com os meios”.

Sobel é conhecido por sua atividade nos direitos humanos. Uma das curiosidades, para muitos, é que ele tomava café com moradores de rua. No programa ele revelou o motivo: “Eu falava sobre a fé, sobre futebol. Não quero aplausos, mas eu levo as pessoas muito a sério, principalmente as mais simples. Uma das minhas filosofias de vida é respeitar o próximo como a si mesmo”.

A bancada de entrevistadores foi formada por Dom Cláudio Hummes (arcebispo emérito de São Paulo), Anna Virginia Balloussier (editora-assistente da Revista São Paulo, da Folha de S. Paulo), Laura Greenhalgh (editora executiva do jornal O Estado de S. Paulo e coordenadora dos cadernos Aliás e Caderno 2), José Gregori (ex-ministro da Justiça e ex-secretário nacional dos Direitos Humanos) e Duda Teixeira (editor de internacional da revista Veja). O Roda Viva contou ainda com a participação do cartunista Paulo Caruso.

Presidente da Universidade Hebraica de Jerusalém entrega o Prêmio Scopus ao ativista comunitário Morris Dayan

A  Sociedade Brasileira de Amigos da Universidade Hebraica de Jerusalém agraciou o ativista comunitário Morris Dayan com o Prêmio Scopus 2013. Aentrega honorário do Prêmio, que aconteceu  no  dia 21 de novembro, foi feita pelo  presidente da Universidade Hebraica,  Menahem Ben-Sasson,  durante evento para um seleto grupo de convidados  na residência do casal Marcia e Daniel Borger.

Morris Dayan  estudou filosofia e economia na Universidade de Jerusalém onde permaneceu de 1987 a 1991. Foi presidente do Grupo de Amigos da Universidade Hebraica de Jerusalém no Brasil de 1999 a 2010.  Neste período, ampliou o conhecimento da UHJ no país, tanto na comunidade judaica, quanto no mundo acadêmico. Também foi o responsável  pela entrega do prêmio Doutor Honoris Causa ao então presidente Fernando Henrique Cardoso.

“Tenho grande orgulho em inscrever o nome do Morris, por seu incansável trabalho frente ao grupo de Amigos da UHJ,  nesta galeria de ativistas que ajudaram a construir a trajetória desta Sociedade de Amigos em nosso país. Também aproveito para agradecer a gentileza e a cordialidade do casal Marcia e Daniel Borger,  que não hesitou em receber todos os amigos para uma noite tão festiva”, declarou o presidente da Sociedade Brasileira de Amigos da Universidade Hebraica de Jerusalém, Jayme Blay.

“Morris é um profissional de sucesso, um importante líder comunitário e uma pessoa de valores universais e humanísticos. Fruto de uma família bastante envolvida com as entidades judaicas, ele ampliou significativamente a visibilidade da Universidade no mundo acadêmico, trazendo seus s valores universais para a comunidade brasileira. Seu trabalho incansável contribuiu para que a gestão atual conseguisse fechar recentemente um acordo histórico entre a Fundação Getúlio Vargas  e a UHJ para levar alunos brasileiros em uma missão empreendedora a Israel”, complementou Blay.

O presidente da Universidade Hebraica,  Menahem Ben-Sasson, iniciou seu discurso mencionando o livro Start Up Nation (Nação Empreendedora) ressaltando que a própria Universidade Hebraica é a Start Up do Estado de Israel. “A importância que o povo judeu dá para a educação é tão grande, que a Universidade foi criada antes mesmo do Estado de Israel. Com cerca de 23.000 estudantes ela está entre as 100 melhores universidades do mundo e é considerada a melhor do país,  acumulando oito Prêmios Nobel apenas na última década. Sinto muito orgulho em vir ao Brasil entregar o Prêmio Scopus a Morris Dayan, que foi o mais jovem presidente a assumir o Grupo de Amigos e que desempenhou um excelente trabalho”.

“Agradeço à Universidade por me dedicar o Prêmio Scopus em reconhecimento ao trabalho realizado aqui no Brasil. Não deixa de ser estranho receber o Prêmio ao invés de entrega-lo. Sei o que ele  representa e me sinto muito honrado por esta homenagem, declarou Dayan,  ao  receber das mãos de Jayme Blay e Menahen Ben-Sasson uma obra do arte feita especialmente pelo artista brasileiro Macaparana, representando o trabalho de construção de uma ponte entre Brasil e Israel com um elo através da Universidade Hebraica de Jerusalém.

“Ressalto a importância do Prêmio Scopus entregue a Morris Dayan por sua dedicação à Universidade Hebraica de Jerusalém, que, como o professor Ben-Sasson ressaltou,  é a expressão da importância que o Estado de Israel e a comunidade judaica atribuem à educação, a pesquisa e ao saber, atividades que considero da maior relevância”, destacou  Celso Lafer,  ex-Ministro das Relações Internacionais do Brasil e presidente da Fapesp.

O Prêmio Scopus

O Prêmio Scopus é a maior honra que pode ser conferida a uma pessoa por uma Associação de Amigos.  Ele é apresentado a um indivíduo ou associação que se destacaram em suas respectivas áreas e cujos esforços humanitários e excelente compromisso contribuiu para a melhoria da Universidade Hebraica, o Estado de Israel, o povo judeu e a Humanidade.

Várias personalidades mundiais receberam o Prêmio Scopus, dentre elas Zubin Mehta, Roman Polanski, Bill Clinton, Dalai Lama, Tony Blair, José Mindlin, Gilberto Gil,   Miguel Nicolelis e, no ano passado,  o empresário e jornalista João Dória Junior.