João Doria Jr é agraciado com o Prêmio Scopus da Universidade Hebraica de Jerusalém

João Doria Jr. recebe o Prêmio Scopus das mãos de Jayme Blay e Claudio Lottenberg

Um grande evento no Buffet França em São Paulo, realizado no dia 08 de novembro, marcou a entrega do Prêmio Scopus 2012, concedido pela Sociedade Amigos da Universidade Hebraica de Jerusalém ao empresário e jornalista João Doria Jr, homenageado por seus esforços para promover a aproximação entre Brasil e Israel  iniciada na Business Trip 2011.

Jayme Blay, presidente dos Amigos da Universidade Hebraica de Jerusalém no Brasil, juntamente com o Dr. Claudio Lottenberg, presidente do Hospital Israelita Albert Einstein e da Confederação Israelita do Brasil (Conib), e amigo pessoal de João Doria, fizeram a entrega honorária do Prêmio Scopus, ao lado de  Renée Ben-Israel, vice-presidente da Yissum, companhia de transferência tecnológica da Universidade Hebraica de Jerusalém (UHJ).

Claudio e Ida Lottenberg, Bia e João Doria Jr, Stela e Jayme Blay, em noite de premiação no Buffet Fran;ca

A solenidade teve início com as apresentações de Pablo Kizelstein, diretor de Relações Públicas da UHJ para a América Latina, Espanha e Portugal e  de Renée Ben-Israel, que destacaram a excelência  da Universidade Hebraica de Jerusalém, considerada a melhor de Israel e a 53a  melhor do mundo.  Renée detalhou o “modus operandi” e os cases de sucesso da Yissum, empresa  distinta da Universidade, cuja atividade consiste em identificar os projetos com potencial econômico sem interferir na liberdadeacadêmica, proteger as invenções através de patentes ou outros meios para viabilizar sua comercialização, criar o modelo de negócios adequado, localizar parcerias comerciais e estratégicas, negociar acordos e gerar fundos para acontinuação da pesquisa e seu desenvolvimento e, finalmente, concretizar o potencial e coletar os royalties.

João Doria Jr discursa emocionado ao receber o Prêmio Scopus

Em seguida, Jayme Blay  subiu ao palco e destacou o motivo  da entrega do Prêmio Scopus a João Doria: “A escolha deste ano foi uma decorrência da atuação deste homem que se tornou um apreciador incondicional do Estado de Israel. A visão inicial do empreendedor, ao se ver diante da realidade empresarial e tecnológica israelense, transformou-se no propagador das ideias criativas e de vanguarda ali vivenciadas, o que ele vem fazendo com muita propriedade desde então. Israel ganhou um amigo fiel e este prêmio da Universidade Hebraica de Jerusalém une este amigo com laços ainda mais consolidados ao Estado de Israel”.

João Doria jr, Dora Cunha Bueno e Meyer Nigri

“Sou amigo pessoal e um verdadeiro admirador do João Doria. Ele é uma referencia como  batalhador, como disciplina, como pessoa empreendedora e é mais do que merecedor do reconhecimento que está sendo outorgado. Parabenizo Jayme Blay e todos os envolvidos pela sensibilidade na escolha de seu nome. A vida é feita por exemplos e João Doria é um grande exemplo a ser seguido”, ressaltou Claudio Lottenberg.

João Doria emocionou os presentes com seu discurso: Tenho uma longa convivência com a comunidade judaica desde os meus tempos de menino. Depois da viagem que fizemos  para Israel,juntamente com a Câmara Brasil Israel de Comércio e Indústria, estas relações e  admiração  aumentaram ainda mais. Esta convivência me ofereceu um grande  aprendizado e me deixou ainda mais entusiasmado com os valores do judaísmo e de Israel, um pequeno – grande país onde os investimentos na educação e na inovação são pilares fundamentais.  Em Israel, descobri o valor da paz, o entendimento preciso de que Israel não é um país que se constituiu para guerrear, mas sim uma nação formada por jovens, homens e mulheres que desejam a paz. Talvez este tenha sido o maior dos aprendizados da minha visita a Israel.

Renée Ben Israel, veio de Israel para fazer a entrega do Prêmio

O evento contou com diversas personalidades do mundo empresarial, cultural e lideranças como os presidentes da Embraer, Luiz Carlos Aguiar, da Qualicorp, José Seripieri Filho,   da Tecnisa, Meyer Nigri e  o ex-ministro  e presidente da Fapesp, Celso Lafer, que frisou: “O Prêmio Scopus é um prêmio tradicional da Associação dos Amigos.  Nosso caro João Doria tem se revelado uma grande liderança com capacidade de interagir com vários setores da vida nacional.  Esta outorga marca  o reconhecimento de seu trabalho e de sua atuação que tem facilitado a integração entre Brasil e Israel”.

“João Doria é uma pessoa presente e participativa e grande merecedor deste Prêmio. Estou muito feliz em fazer parte deste grande evento realizado pelos Amigos da Universidade Hebraica de Jerusalém”, destacou o presidente da Avianca, José Efromovich.

Prêmio Scopus,  é a maior honraria que pode ser conferida a uma pessoa por uma Associação de Amigos.   Várias personalidades mundiais receberam o Prêmio, cujo nome  faz referência  a  pedra  fundamental colocada em 1918 no Monte Scopus por Chaim Weizman,  dentre elas:  Zubin Mehta, Roman Polanski, Bill Clinton, Dalai Lama, Tony Blair, José Mindlin, Gilberto Gil e, no ano passado, o escritor  brasileiro Luís Fernando Veríssimo.

 

Anúncios

Diversão e Tzedaká no Almoço da Amizade da Na’amat Pioneiras São Paulo

Os grupos Bat Yona e Netzah Atid, da Na’amat Pioneiras São Paulo, lotaram o Restaurante Casual Mil de A Hebraica, no dia 05 de novembro, durante o tradicional “Almoço da Amizade”.

Chaverot e convidadas desfrutaram de um requintado almoço e de uma animada tarde que contou com sorteio de brindes, muita animação e ainda com um delicioso chá da tarde.

“O evento foi maravilhoso, com convidadas muito elegantes e que desfrutaram de uma tarde deliciosa na companhia de amigas. Elas também fizeram tzedaká, pois toda a renda será voltada para os projetos sociais apoiados pela Na’amat Pioneiras São Paulo”, destacou a vice-presidente da Na’amat SP, Sara Wulkan.

Berta Zatz, coordenadora do grupo Bat Yona, comemorou mais uma edição do evento. “Agradeço a parceria de todas as minhas colegas que contribuíram para o sucesso deste evento”, complementou.

Escultura de Lasar Segall é inaugurada em Higienópolis

O Vereador Floriano Pesaro participou da inauguração da réplica da escultura “Imigrantes”, de Lasar Segall, na Praça Buenos Aires, em Higienópolis.

Também estiveram presentes o neto do artista, Lasar Segall Neto, o ex-ministro Celso Lafer, que é presidente do Conselho Deliberativo do Museu Lasar Segall, e o prefeito Gilberto Kassab.

Sucesso no Yom Yum da Wizo

A WIZO SP realizou com grande sucesso mais um grande evento: O Yom Yum “Realidade e Perspectiva: Presente e Futuro”. Além de debates sobre assuntos da atualidade, desfrutaram juntas um delicioso almoço propiciando assim uma troca de informações.

A ocasião contou com as presenças de Helena Kelner-Presidente da WIZO BRASIL, Boris Ber, Claudio Bobrow, Sam Osmo, Sulamita Tabacof (Presidente Honorária da WIZO SP), Ana Marlene Starec, Gaby Glasman e Jaime  Spitzkowski, além de Iza Mansur, presidente da WIZO SP.

Câmara Brasil Israel discute os desafios do Agronegócio

Daniel Neves, da Netafim e o ex-Secretário de Agricultura, Dr. João Carlos de Souza Meirelles

Com a presença de renomados palestrantes e de um público altamente qualificado, a  Câmara Brasil Israel de  Comércio e Indústria promoveu nesta terça-feira, 30 de outubro, no Auditório da FECOMERCIO,  o painel “Agronegócio Brasileiro: situação e desafios”.

O evento contou com a participação do  ex-Secretário de Agricultura, Dr. João Carlos de Souza Meirelles,  do Professor Doutor da FEA/USP, Décio Zylbersztajn, do presidente da Netafim, multinacional israelense do setor de agronegócios, Daniel Neves e do Pesquisador Científico do Instituto de Economia Agrícola – IEA, Celso Luis Rodrigues Vegro. O Painel foi mediado por Nelson Millner, diretor da Câmara Brasil Israel de Comércio e Indústria.

Millner abriu o evento destacando a relevância do  agronegócio brasileiro que, segundo ele, já salvou o Brasil de várias crises. O diretor da Câmara também frisou a importância de Israel, que possui o que há de mais moderno em tecnologia para o setor como: variedade de sementes, tecnologia de irrigação e de reutilização de água e o controle de pragas sem pesticidas, entre outros.

Zylbersztajn apontou o momento de profunda transformação e euforia no qual a agricultura brasileira ganha dimensão internacional. Os aspectos econômicos da relação Brasil-Israel foram abordados por Celso Vegro, que  traçou um panorama sobre as transações comerciais entre Brasil e Israel, envolvendo produtos e serviços pertencentes ao domínio dos agronegócios são dinâmicos.

Daniel Neves surpreendeu a todos ao apontar que, apesar de existir há cerca de 50 anos, a tecnologia de irrigação por gotejamento desenvolvida em Israel  ainda é pouco conhecida no mundo agro em nosso país.

Também estiveram presentes o engenheiro agrônomo Antonio Ambrósio Amaro,  o cônsul de Israel em São Paulo, Ilan Sztulman e a diretora  do IEA, Dra. Marli Dias Mascarenhas.

 

 

“Temperos” de Israel fizeram dançarinos do Colégio I.L. Peretz brilharem no palco

Não faltou emoção ao público que assistiu ao show inédito de dança do Peretz, que teve como tema central os “Tavlinim” (“Temperos”).

Com uma cozinha de cenário, “Hannah Marina Bragman” e seu companheiro papagaio “Louro Yossef” fizeram um programa que mostrou, por meio da metáfora culinária, que os “tavlinim” têm um papel importantíssimo para Israel.

Eles mostraram que cada tempero traz as influências da cultura que o cultivou, e todas elas se misturam em um “caldeirão”: “Israel nasceu assim. Pegamos as terras mais inóspitas – os desertos e os pântanos – e transformamos o diamante bruto numa joia lapidada. Temperamos com empenho, sionismo, tradição, princípios, amizade e amor”.

Alunos, ex-alunos e pais brilharam no palco e traduziram, por meio da dança israeli, em belíssimas coreografias, cores, brilhos e sorrisos, os tavlinim vindos do Marrocos, da Etiópia, do Iêmen, da Rússia, entre outros.

São os tavlinim que dão gosto, pontuam as qualidades e garantem o sabor de cada prato, mas, também, são capazes de reunir à mesa um povo inteiro: “A gente pega uma pitada de tradição, um punhado de vivência, uma medida de religião, adiciona caráter, persistência, sobrevivência, e bastante experiência. Temperamos com especiarias vindas dos quatro cantos do planeta”.

A primeira noite de apresentações contou com a presença especial do grupo Chaverim. Eles também mostraram a multiculturalidade existente em Israel, com roupas que simbolizavam judeus ortodoxos, imigrantes, árabes etc, e foram ovacionados em pé pela plateia.

Na segunda noite, numa iniciativa que ofereceu aos alunos menores a possibilidade de assistir aos grupos Guivol, Adamá e Maim, formado por alunos do 9º ano, Ensino Médio e ex-alunos, os alunos mais experientes mostraram suas performances reapresentando o show “BaTachaná”, “Na Estação”.

Entre as chegadas e partidas, as lehakot mostravam que a tachaná tem um jeito engraçado de orquestrar coincidências. Entre as coreografias, uma “blogueira” mostrava ao público sua percepção sobre o ritmo da vida a partir do olhar de uma estação rodoviária: “Se pararmos pra prestar atenção, vamos perceber que a vida tem um certo ritmo… Uma batida que fica lá no fundo e que se faz ouvir a cada passo, cada movimento. E é a música que dá tempero a tudo, colorindo qualquer evento rotineiro com criatividade e imprevisibilidade”.

A diretora da área judaica, Marli Raichel Ben Moshe, elogiou a equipe com os “tavlinim” com os quais a equipe de dança “temperaram” os shows do Peretz: Conteúdo, Judaísmo, Respeito, Diversidade, Alegria, Entusiasmo, Criatividade, Humor, Arte e Sabor. “Parabéns a todos os envolvidos! Que possamos acrescentar outros ingredientes indispensáveis para que o sabor dos próximos pratos seja igual ou ainda melhor”

Hebraica apresenta a exposição “Diálogo”

Fica em cartaz até o dia 27 de novembro na Galeria de Arte da Hebraica a exposição “Diálogo”, com obras dos artistas contemporâneos Caciporé Torres, Eduardo Iglesias, Fernando Durão, Guilherme de Faria e Yutaka Toyota. Com curadoria de Patrícia Motta, a mostra reune obras de diversas fases e épocas de cada artista, gerando um conjunto significativo da produção contemporânea no Brasil.

Serão expostas 20 obras – 4 de cada artista. Nelas, será possível observar a diversidade de estilos e técnicas de cada um, sem perder a linguagem contemporânea. O título da exposição representa tanto o diálogo das obras entre si quanto o diálogo do observador com as obras.

Essa é a primeira vez que os artistas plásticos e amigos Caciporé Torres, Eduardo Iglesias, Fernando Durão, Guilherme de Faria e Yutaka Toyota participam de uma exposição exclusivamente deles. “Será um momento único de ver esses cinco artistas contemporâneos juntos”, afirma a curadora da exposição, Patrícia Motta.

A Galeria fica aberta de terça a domingo, das 8h às 20h. Para mais informações, ligue (11) 3818-8800.